Setembro é o
mês escolhido pela Sociedade Brasileira de Coloproctologia para alertar sobre o câncer colorretal (intestino), doença menos difundida do que
o câncer de mama e próstata, mas que está entre um dos mais frequentes no
mundo, sendo o segundo mais incidente entre as mulheres e o terceiro entre os
homens no Brasil  De acordo
com o INCA (Instituto Nacional do Câncer), 34,2 mil casos novos são registrados
por ano no país. Desse número, 17,6 mil são mulheres e 16,6 mil, homensO câncer
colorretal acomete o intestino grosso, também chamado de cólon, sendo o reto a sua porção final. É tratável e, na maioria dos casos,
curável ao ser detectado precocemente, ou seja, principalmente quando ainda não se espalhou
para outros órgãos. Quando diagnosticado no início, as chances de sobrevivência
chegam a 90%O consumo
excessivo de carnes vermelhas e processadas, com alto teor de gordura e pouca
fibra, associado a uma vida sedentária, são os principais fatores de risco que
podem levar ao surgimento do câncer no intestino, além de outros fatores, como
doença inflamatória intestinal, histórico familiar de câncer colorretal e
algumas síndromes genéticas. A oncologista Renata D’Alpino, do Centro Especializado em Oncologia
do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, alerta que o tabagismo e
o abuso do álcool também são fatores determinantes nesse caso. “O ideal é
que se tenha uma dieta rica em frutas e vegetais. Mais de 800g por dia pode
reduzir o risco em 26%, além de incluir a ingestão de 25g a 30g por dia de
fibras na alimentação”, dizPor conta do
aumento deste tipo de câncer em pacientes mais jovens, em maio deste ano, a
Sociedade Americana do Câncer anunciou novas diretrizes em relação a prevenção,
que incluem a recomendação da realização do exame de colonoscopia a partir dos
45 anos, a cada cinco anos. A indicação anteriormente era de que o exame fosse
realizado a partir dos 50 anos.

Segundo a
oncologista especializada em tumores do trato gastrointestinal, estudos
importantes auxiliaram a Sociedade Americana a chegar nessas novas diretrizes.
“Os exames não ajudam apenas a diagnosticar precocemente, mas também
auxiliam a identificar pólipos que podem se transformar em câncer se não
retirados”, explica a médica.O câncer
colorretal pode se desenvolver silenciosamente por um longo período, sem
apresentar nenhum sintoma. Costumam aparecer em estágios mais avançados da doença. Os mais comuns são sangramento nas fezes,
anemia sem causa aparente e alterações no hábito intestinal, como diarreia
ou intestino presoA doença é mais frequente a partir dos 50 anos.
Porém, um estudo divulgado pela Sociedade Americana neste ano, que analisou  cerca de 490 mil pessoas mostrou que os jovens hoje apresentam um
risco maior que os jovens da década de 1980. A probabilidade, ainda que baixa – um caso em cada 100 mil pessoas entre 20 e 29 anos –, preocupa pelo fato de ter aumentado com o tempo. Na década
de 1980, a probabilidade era de 0,5 para cada 100 mil. O estudo acendeu um
alerta em relação aos hábitos dos jovens atualmenteAproximadamente 10% de pólipos no intestino podem se transformar em câncer,
dependendo do tipo, tamanho e agressividade de suas células, segundo a oncologista. Pólipo é uma lesão na parede interna do
intestino que pode virar câncer em um processo que leva de cinco a 15
anos. A colonoscopia pode detectar e remover a maior parte dos
pólipos do intestino grosso, impedindo a evolução para o câncer. Além da
prevenção, esse exame é importante para a detecção precoce da doençaA
obesidade é um fator de risco para o câncer colorretal. Hábitos saudáveis, como o combate ao
sedentarismo e a redução do consumo de alimentos industrializados e
embutidos, são essenciais para diminuir os riscos do surgimento da doençaNo Brasil, o índice de cura não ultrapassa 50%, segundo a Sociedade
Brasileira de Coloproctologia. Isso acontece porque os doentes são
diagnosticados em fase avançada do câncer. O exame de colonoscopia, para prevenção do câncer colorretal, é indicada a partir de 45 anos, sendo repetida a cada 5 ou 10 anos. Como alternativas, pode-se recomendar teste fecal anual
ou retossigmoidoscopia, exame utilizado para o diagnóstico das doenças que
acometem a porção final do intestino grosso, a cada cinco anos com ou sem
teste fecal associadoA colonoscopia não é um procedimento doloroso nem
constrangedor, segundo a oncologista. Isso é mito. O procedimento dura de 15 a 30 minutos e o paciente é sedado para evitar
qualquer desconforto. No entanto, o preparo intestinal antes do exame, com uso de laxantes, pode
incomodar

CategorySaúde

Copyright © 2016 - Plena Jataí. Todos os direitos reservados.

Clínica/Laboratório: (64) 3631-5080 | (64) 3631-5090
Farmácia: (64) 3631-8020 | (64) 3631-8030
Imagem: (64) 3631-6001