Fim da quimio pode ser início de alergias devido à recuperação do sistema imune
Getty Images

O corpo pode ficar mais propenso a alergias após o fim do tratamento com quimioterapia. De acordo com a alergologista Ariana Yang, do Hospital das Clínicas de São Paulo, isso é reflexo da recuperação do sistema imunológico.

Afetado pelas medicações utilizadas na quimioterapia, utilizada para combater o câncer, o sistema imunológico vai se recompondo ao longo dos meses após o fim do tratamento. Nesse processo, podem aparecer as alergias. “Para entender esse processo, uso como exemplo o sistema imunológico das crianças. A alergia é mais comum em crianças, porque seu sistema imune ainda é imaturo”, explica.

“Durante o tratamento com quimioterapia, a pessoa fica suscetível a infecções porque está imunodeprimida. Ao fim do tratamento, o sistema imune vai se recuperando e, nesse caminho, pode haver algum tipo de alteração e aparecerem as alergias”, completa.

Ela explica que o sistema imunológico é um dos órgãos mais afetados pela quimioterapia. Segundo ela, não só esse tipo de tratamento, mas também o próprio câncer desorganiza a resposta imunológica do corpo. “Uma das funções do sistema imunológico é ser uma sentinela contra doenças neoplásicas. Alguns tipos de câncer sugerem falha de algum mecanismo imunológico”, ressalta.

Leia também: Exercícios e consumo de fibras previnem volta do câncer colorretal

Boca inchada, placas no corpo que coçam, palmas das mãos avermelhadas. Esses são exemplos de algumas reações alérgicas. Caso surjam esses ou sintomas similares, Ariana orienta que se busque um alergista ou, em situações críticas, o pronto-socorro para que seja feita a confirmação do diagnóstico de alergia.

“O primeiro passo é: o sintoma parece alergia? Se coça, incha, fica vermelho procure um médico. Ele irá fazer o diagnóstico sindrômico, que define o tipo de sintomas. A partir disso, qual o mecanismo envolvido e qual teste poderá ser feito”, explica.

A médica frisa que alergias mais intensas podem ser perigosas, levando à reação anafilática grave e até a morte. Por isso a importância de se dirigir a um pronto-socorro. “Na reação alérgica grave, o medicamento antialérgico não funciona, é preciso ir para o hospital. A medicação que será aplicada se chama adrenalina”, afirma.

Leia também: Alimentação pode ajudar no tratamento contra o câncer

Ela explica que existem dois mecanismos de alergia. A alergia provocada pela reação de um anticorpo, como a imunoglobulina M (IgM), na qual os sintomas são imediatos, e a alergia de hipersensibilidade tardia ou tipo 4, produzida por uma célula chamada linfócito, na qual os sintomas podem aparecer até cinco dias depois do contato com o alérgeno.

Como se trata de uma readaptação do sistema imune, geralmente essa sensibilidade maior que resulta em alergias é passageira, segundo a alergologista “Algumas desaparecem após o equilíbrio do sistema imune e outras são persistentes, depende muito do tipo de reação, do tipo de alergia e o tipo de alérgeno”, afirma.

Virou alérgico depois de “velho”? Tire suas dúvidas sobre a alergia:

 

CategorySaúde

Copyright © 2016 - Plena Jataí. Todos os direitos reservados.

Clínica/Laboratório: (64) 3631-5080 | (64) 3631-5090
Farmácia: (64) 3631-8020 | (64) 3631-8030
Imagem: (64) 3631-6001