É
verdade que a diálise troca todo o sangue do corpo? Qual o objetivo? O nefrologista Marcos Alexandre Vieira, presidente da Fundação
Pró-Rim, explica que a diálise “limpa o sangue”. Uma máquina recebe o
sangue por meio de um acesso vascular. Esse sangue é impulsionado por uma bomba até um filtro, onde será exposto a uma solução que, por meio de
uma membrana semipermeável, retira as toxinas. Em seguida, o
sangue retorna limpo ao paciente. Essa limpeza serve para retirar as
substâncias tóxicas, água e sais minerais que seriam absorvidos
naturalmente pelo rim

 A
diálise funciona como substituto do rim? O que é a diálise e qual sua função? O tratamento de hemodiálise funciona
como um rim artificial, que filtra as substâncias indesejáveis do sangue por
meio de uma máquina, explica Vieira. São necessárias três sessões por semana, com 4 horas
de duração.

Outro tratamento é a diálise peritoneal, que tem a mesma finalidade da hemodiálise, mas é feita por meio da infusão de líquido (glicose) e drenagem desse material, que
filtra o sangue. Diferentemente da hemodiálise, realizada em clínica
especializada, a diálise peritoneal pode ser feita em casa sob a
responsabilidade do paciente, familiar ou cuidador

 Quem
faz diálise não pode viajar? Como isso é manejado? Pode, segundo o nefrologista. O paciente que faz hemodiálise pode
viajar com autorização do seu médico. Se for se ausentar por um longo período,
ele deve verificar a existência de uma clínica de hemodiálise na cidade ou região onde vai passar os dias e solicitar à assistência social da sua clínica
a disponibilidade de atendimento no local desejado. “Muitos pacientes viajam até
para outros países, basta planejamento e vagas disponíveis na clínica. Esse
tratamento se chama Diálise em Trânsito”, explica

 Quem começa a fazer diálise fará
“para sempre”? Qual o critério para parar?

Na maioria dos casos, sim, afirma o médico. As pessoas
que precisam fazer hemodiálise são aquelas diagnosticadas com insuficiência
renal. O tratamento é indicado quando os rins apresentam menos de 10% de sua atividade. Segundo Vieira, uma saída para deixar de realizar a hemodiálise, ou a
diálise peritoneal, é o transplante de rim. Mas, mesmo assim, será preciso manter um rígido controle da saúde, com
medicamentos e hábitos saudáveis por toda a vida

 

 

 A diálise evoluiu nos últimos anos? O
que mudou em relação à qualidade de vida do paciente? O nefrologista explica que pesquisas em relação aos medicamentos de comorbidades que acompanham o paciente renal crônico, como
hipertensão e diabetes, têm resultado em melhor qualidade de vida. Ele ressalta ainda que as máquinas e o atendimento multidisciplinar evoluíram nos
últimos 30 anos diminuindo sintomas durante a hemodiálise e aumentando o bem-estarExiste uma fila de espera para fazer
diálise no Brasil? Mito ou verdade? Verdade. Existem pacientes internados em
diversos hospitais públicos aguardando vaga para realizar o tratamento, afirma Vieira. O médico afirma que, na maioria das vezes, quem
organiza a disponibilização das vagas são as secretarias de saúde de cada cidadeComo cuidar da saúde renal para
prevenir a diálise?

Para evitar a diálise, é preciso prevenir a doença renal crônica, destaca o nefrologista. Para isso, é necessário adotar hábitos
saudáveis, como alimentação equilibrada com pouco sal e açúcar, fazer
atividade física, controlar a hipertensão e o diabetes, consultar o médico
periodicamente, evitar o consumo de álcool e outras drogas, além da automedicação.
Pessoas com doença renal na família também realizar consultas preventivas, afirma

CategorySaúde

Copyright © 2016 - Plena Jataí. Todos os direitos reservados.

Clínica/Laboratório: (64) 3631-5080 | (64) 3631-5090
Farmácia: (64) 3631-8020 | (64) 3631-8030
Imagem: (64) 3631-6001