Aedes albopictus, o Tigre Asiático, pode ser o novo vetor da febre amarela
Wikimedia Commons

Mais um mosquito é capaz de carregar o vírus da febre amarela: o Aedes albopictus, conhecido como Tigre Asiático. No entanto, ainda está fase de estudo sua capacidade de transmitir a doença.

Os mosquitos infectados foram capturados no ano passado em áreas rurais das cidades de Ituêta e Alvarenga, em Minas Gerais, pelo Instituto Evandro Chagas (IEC), vinculado ao Ministério da Saúde. A informação foi divulgada pelo governo nesta quinta-feira (15).

Diferentemente dos outros vetores da febre amarela, Haemagogus e Sabethes, que são exclusivamente silvestres, o Aedes albopictus vive em área rurais e urbanas. A previsão, segundo o Ministério da Saúde, é que o resultado do estudo saia em 45 dias.

Leia mais: Ferraz de Vasconcelos confirma primeiro caso de febre amarela

Segundo o governo, a detecção do vírus no mosquito não significa necessariamente que ele adquira o papel de transmissor da doença.
Estão ainda previstas novas capturas do mosquito.

O Ministério da Saúde informou que esta espécie está presente em quase todo o país e que há competição entre essa as espécies Aedes albopictus e Aedes aegypti, que habita o meio urbano e é transmissor da dengue, zika e chikungunya e potencial transmissor da febre amarela.

Febre amarela silvestre

O governo ressaltou que não há casos de febre amarela urbana no Brasil desde 1942 e também não há registro de mosquitos Aedes aegypti infectados com o vírus da febre amarela. A doença está sendo transmitida por vetores que vivem em ambientes de mata.

Além disso, o que caracteriza a transmissão silvestre, além das espécies envolvidas (Haemagogus e Sabethes), é que os mosquitos transmitem o vírus e também se infectam a partir de um hospedeiro silvestre, no caso, o macaco.

O Ministério informou que a chance de transmissão urbana é “baixíssima”

O Ministério da Saúde informou que a probabilidade de transmissão urbana no Brasil é “baixíssima”. Entre os fatores, estão “cobertura vacinais em áreas de recomendação e vigilância muito sensível para detectar precocemente a circulação do vírus em novas áreas para adotar a vacinação oportunamente”.

Mais: Febre amarela afasta turista de áreas de mata no interior paulista

Desde julho do ano passado, foram confirmados 407 casos de febre amarela e 118 mortes no país, sendo 183 casos e 26 mortes em São Paulo, 157 casos e 44 mortes em Minas Gerais, 68 casos e 27 mortes no Rio de Janeiro e um caso e uma morte no Distrito Federal. O boletim nacional será atualizado nesta sexta-feira (16).

No mesmo período do ano passado, foram 532 casos e 166 mortes. De acordo com o Ministério da Saúde, até esta quinta-feira (15), 3,95 milhões de pessoas haviam sido vacinadas em São Paulo e no Rio de Janeiro, o que corresponde a 19,3% do público-alvo.

A previsão é que sejam vacinadas 20,5 milhões de pessoas no Sudeste, sendo 10,3 milhões em 54 cidades de São Paulo e 10 milhões em 15 cidades do Rio de Janeiro.

Segundo o Ministério da Saúde, devido à baixa procura da população para a vacinação contra a febre amarela, o Estado do Rio de Janeiro prorrogou a campanha. Em São Paulo, a previsão para o término da campanha é neste sábado (17), quando acontece o “Dia D”. O Estado vai avaliar a necessidade de prorrogação da campanha após essa data.

No total, 2,7 milhões de paulistas foram vacinados, o que representa 26% do público-alvo, sendo 2,6 milhões de pessoas com a fracionada e 99,8 mil com a padrão.

Na Bahia, a campanha de fracionamento da vacina de febre amarela terá início na próxima segunda-feira (19). O Estado pretende vacinar 3,3 milhões de pessoas em oito cidades.

Saiba a diferença entre febre amarela, dengue, gripe, zika e chikungunya:

CategorySaúde

Copyright © 2016 - Plena Jataí. Todos os direitos reservados.

Clínica/Laboratório: (64) 3631-5080 | (64) 3631-5090
Farmácia: (64) 3631-8020 | (64) 3631-8030
Imagem: (64) 3631-6001