Três casos de doença associada ao cigarro eletrônico foram confirmados no Brasil
Reprodução / OMS

Os três primeiros casos de Evali, lesões pulmonares associadas ao uso do cigarro eletrônico foram confirmados no Brasil pela SBPT (Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia). Os pacientes usaram cigarro eletrônico com tetrahidrocanabinol (THC) – principal substância psicoativa da maconha – em dispositivos adquiridos nos Estados Unidos.

Os sintomas da doença são tosse, falta de ar e mal-estar. Também podem ocorrer sinais relacionados ao sistema digestivo, como diarreia e náuseas, afirma o pneumologista Elie Fiss, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

De acordo com ele, o relato de uso do cigarro eletrônico nos últimos 90 dias é o diferencial para o diagnóstico da Evali, mas serve para casos suspeitos e confirmados da doença.

Leia mais: Fumar cigarro eletrônico por 10 minutos equivale a mais de 1 maço

Além disso, “o pulmão reage a muitos agentes agressores da mesma forma”, destaca o especialista.

“A radiografia mostra lesões e aspectos semelhantes a outras doenças inflamatórias que atingem os pulmões. Além disso, ainda não temos um exame específico para a Evali”, explica. “Só com a biópsia é possível diferenciar”, acrescenta.

Leia mais: Falta de tratamento contínuo aumenta risco de morte por asma

Para fazer o diagnóstico preciso, a SBPT recomenda que sejam usados os critérios definidos pelo CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças), dos Estados Unidos.

Os EUA vivem um surto de Evali, com 2.291 pacientes hospitalizados e 48 mortes confirmadas neste ano, conforme dados do CDC. As pessoas mortas tinham entre 17 e 75 anos de idade. Dentre os hospitalizados, a maioria são homens com menos de 35 anos de idade.

Fiss alerta que o uso do cigarro eletrônico pode matar em um curto espaço de tempo. Apesar disso, muitas lojas online fazem uma propaganda enganosa do produto, inclusive no Brasil, onde a venda é proibida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

“Elas [lojas] dizem que o cigarro eletrônico pode ser uma forma de largar o cigarro convencional, mas isso é uma grande mentira, porque existem esses casos agudos que levam à morte”, ressalta o pneumologista.

Leia mais: Anvisa rejeita plantio de maconha, mas assunto pode voltar à pauta

Segundo ele, no Brasil o uso de cigarros eletrônicos é subnotificado pelo fato de a venda ser proibida, mas estima-se que entre 0,5% e 1% da população o utilize. Já nos Estados Unidos, o consumo é mais frequente entre jovens – 27% deles fazem uso do produto.

“Lá aconteceu o primeiro transplante de pulmão, feito em um garoto de 17 anos, por causa da Evali”, diz o médico.

O tratamento da doença é feito com hidratação, oxigênio e, quando necessário, ventilador mecânico. Fiss também costuma recomendar aos seus pacientes o uso de corticoides, que servem para tratar diversas doenças pulmonares.

Cigarro e álcool são fatores de risco para câncer cerebral. Saiba mais:

 

CategorySaúde

Copyright © 2016 - Plena Jataí. Todos os direitos reservados.

Clínica/Laboratório: (64) 3631-5080 | (64) 3631-5090
Farmácia: (64) 3631-8020 | (64) 3631-8030
Imagem: (64) 3631-6001