<img src=’https://img.r7.com/images/record-brasilia-dengue-mosquito-casos-de-dengue-surto-de-dengue-21022024121941586′ /><br />

Em 2023, marca foi alcançada entre abril e maio
Reprodução/Record TV Brasília

Nesta quinta-feira (29), o Brasil atingiu a marca de mais de 1 milhão de casos prováveis de dengue em 2024, de acordo com dados do painel de monitoramento do Ministério da Saúde. O número exato registrado é de 1.017.278 casos. Comparativamente, no ano anterior, essa marca só foi alcançada na semana epidemiológica 18, entre os dias 30 de abril e 6 de maio. Além disso, já foram registradas 214 mortes devido à doença, com outras 687 sendo investigadas.

O Distrito Federal é a região com o maior coeficiente de incidência no país, seguido por Minas Gerais, Acre, Espírito Santo e Paraná. Segundo o MS, 492 cidades já receberam os imunizantes contra a doença até o momento. E a faixa etária mais acometida é a de 30 a 39 anos, seguida por aqueles que têm entre 40 a 49 e 50 a 59. Mulheres são as mais infectadas pela dengue (55,4%).

 

 

 

 

Veja também

Brasília
Fernando Haddad é diagnosticado com Covid-19 e presidirá reuniões do G20 de forma virtual

Brasília
Mendonça convoca audiência de conciliação sobre acordos de leniência na Lava Jato 

Cidades
Força-tarefa encontra possível esconderijo usado por fugitivos de Mossoró; veja imagens

 

 

 

 

Devido ao aumento de casos, seis estados brasileiros (Acre, Goiás, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro e Santa Catarina) e o Distrito Federal decretaram estado de emergência em saúde pública devido à dengue. Em resposta a essa situação, o Ministério da Saúde anunciou a realização de um Dia Nacional de Mobilização contra a Dengue no próximo sábado (2), como parte dos esforços para conter o avanço da doença.

Durante uma coletiva de imprensa nesta semana, a ministra da saúde, Nísia Trindade, alertou sobre a antecipação do pico de dengue, que normalmente ocorria em abril. Além disso, anunciou que o Ministério da Saúde irá divulgar nesta sexta-feira (1º) uma orientação específica para o atendimento médico de mulheres grávidas diagnosticadas com dengue.

“Na sexta-feira vamos divulgar o manejo clínico das gestantes para ter esse atendimento. E falando do ‘Dia D’, é importante destacarmos que essa união é fundamental, tem que ser um esforço nacional. Precisamos mostrar para a população a atuação conjunta de todas as esferas do governo: federal, estadual e municipal. Não podemos ter estados que não participem dessa campanha, podemos ter particularidades de cada região, mas todos devem se unir”, disse Nísia Trindade.

Durante apresentação, secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente do Ministério, Ethel Maciel, alertou para o alto número de casos graves da doença. “Esse é nosso pior pico dos últimos anos. E também temos o aumento de casos graves, principalmente de idosos com comorbidade. Inclusive, precisamos pensar em uma entrada diferenciada desses idosos no sistema de saúde, uma porta de entrada para diagnóstico inicial, e para os pacientes que já estão com dengue e apresentaram piora no quadro, outro tipo de atendimento. Eles não podem competir com todos os outros para serem avaliados."

Segundo Ethel, o país está apresentando uma letalidade menor dos casos de contaminação, mas está com um número crescente de casos graves pela doença.

 

 

 

 

Vacinação

 

 

 

 

A imunização contra a dengue começou pelas crianças de 10 a 11 anos e vai avançar progressivamente assim que novos lotes forem entregues pelo laboratório fabricante. A escolha dessa faixa etária foi baseada no maior índice de hospitalização por dengue.

O primeiro lote de vacinas, com 712 mil doses, foi enviado no dia 8 de fevereiro para 315 municípios do Distrito Federal, Goiás, Bahia, Acre, Paraíba, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Amazonas, São Paulo e Maranhão. Logo na primeira distribuição, com o quantitativo de doses disponível, o Ministério da Saúde atendeu 60% dos 521 municípios selecionados.

O início da vacinação por essa faixa etária é uma estratégia que permite que mais municípios recebam as doses neste primeiro momento, diante do quantitativo limitado de vacinas disponibilizadas pelo laboratório fabricante.

 

 

 

 

Recursos

 

 

 

 

No começo da semana, o Ministério da Saúde anunciou R$ 1,5 bilhão a estados e municípios para apoiar no combate à dengue. Um primeiro repasse de R$ 23,4 milhões foi autorizado nesta semana para locais que decretaram estado de emergência por dengue ou outra arbovirose.

O Distrito Federal, que é a unidade da federação com a maior incidência da doença, foi o mais contemplado, com R$ 5,5 milhão. Os outros R$ 17,8 milhões foram distribuídos entre nove municípios do Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. A medida foi publicada no Diário Oficial.

 

 

Alerta

 

 

Uma pesquisa da Universidade Federal de Goiás traz um alerta às autoridades de saúde: foram encontrados ovos do Aedes aegypti, o mosquito transmissor da dengue e outras doenças, já infectados por zika e chikungunya.

A descoberta indica que não é preciso que o mosquito tenha contato com uma pessoa contaminada para se tornar transmissor das duas doenças. A pesquisa durou dois anos. Para chegar ao resultado, mais de 1,6 mil ovos do mosquito foram coletados em todas as regiões de Goiânia.

O Ministério da Saúde reforça que o momento é de intensificar a prevenção, o cuidado e agir conjuntamente com governadores, prefeitos e toda sociedade para a eliminação dos focos do mosquito transmissor da dengue. As ações coletivas e os cuidados individuais como a limpeza das vasilhas de água dos animais e vasos de plantas evitando o acúmulo de água, o armazenamento de pneus e garrafas em locais cobertos, limpeza das caixas d’água são as melhores formas de prevenção. Cerca de 75% dos focos do mosquito estão dentro de casa.

Em caso de sintomas de dengue, como febre alta, dor de cabeça, atrás dos olhos e nas articulações, a recomendação é para que as pessoas procurem um serviço de saúde.

CategorySaúde

Copyright © 2016 - Plena Jataí. Todos os direitos reservados.

Clínica/Laboratório: (64) 3631-5080 | (64) 3631-5090
Farmácia: (64) 3631-8020 | (64) 3631-8030
Imagem: (64) 3631-6001