Cachorro tinha baixa carga viral
Reprodução/Facebook/South China Morning Post

Autoridades de saúde de Hong Kong confirmaram nesta quarta-feira (4) que o cão que havia testado positivo para SARS-CoV2 (novo coronavírus que causa a doença covid-19) realmente estava infectado, assim como a dona dele, o que representa o primeiro caso de transmissão de humano para animal nesta epidemia.

O jornal local South China Morning Post noticiou que o cachorro, da raça lulu da pomerânia, testou por duas vezes “positivo fraco”, o que indicaria um possível caso de infecção em superfície.

“É positivo para os testes e foi infectado. Agora está em quarentena em um centro. Testes adicionais serão conduzidos e [o cão] não será liberado até que retornem resultados negativos [até que esteja curado]”, disse a ministra da Saúde de Hong Kong, Sophia Chan Siu-chee.

Posteriormente, o Departamento de Saúde acrescentou que foram consultados especialistas da Organização Mundial de Saúde Animal e de universidades e que todos “concordaram unanimemente” que é provável que seja um caso de transmissão humano-animal.

Porém, não há evidências científicas de como teria ocorrido essa transmissão. A professora Vanessa Barrs, da City University, em Hong Kong, afirmou ao South China Morning Post que as pessoas não devem entrar em pânico.

“Esses resultados dos testes sugerem que o cão tem um baixo nível de infecção, que também foi encontrado em vários animais de estimação na epidemia de SARS [síndrome respiratória aguda grave] em 2003. A experiência anterior com a SARS sugere que cães e gatos não adoecem ou transmitem o vírus aos seres humanos. Naquela época, um pequeno número de animais de estimação deu positivo, mas nenhum ficou doente. É importante ressaltar que não havia evidências de transmissão viral de cães ou gatos para humanos.”

CategorySaúde

Copyright © 2016 - Plena Jataí. Todos os direitos reservados.

Clínica/Laboratório: (64) 3631-5080 | (64) 3631-5090
Farmácia: (64) 3631-8020 | (64) 3631-8030
Imagem: (64) 3631-6001