Inaye ficou uma semana sem conseguir evacuar durante uma viagem
Arquivo pessoal

A auxiliar de escritório Inaye Santos, 21, ficou uma semana sem ir ao banheiro durante uma viagem de férias em Ubatuba, litoral de São Paulo.

Ela ficou hospedada na casa de uma parente de uma tia. “Estranhei o lugar e meu organismo não se adaptou. Tentava e não conseguia. Só fui conseguir quando cheguei em casa”, diz. 

Assim como Inaye, outras mulheres passam pelo mesmo problema. Segundo os especialistas, a constipação em viagens afeta mais mulheres por uma questão cultural.

“Desde pequenas, as mulheres são criadas para agirem como princesas, e princesas, aparentemente, não podem defecar, arrotar ou soltar pum. Inconscientemente isso acaba ‘travando’ a mulher”, afirma a cirurgiã-geral Magda Profeta, do departamento de cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Magda afirma que homens também sofrem com constipação mas, nesse caso, estaria mais associada à alimentação.

Para a gastroenterologista Elaine Moreira, da Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG), desde criança, as pessoas são aconselhadas pelos pais a evitarem alguns banheiros ou não sentarem nos assentos pela ideia de que seria um ambiente sujo e que poderia transmitir doenças. “Assim, o pensamento é levado, também, para a vida adulta, mesmo que de maneira inconsciente, o que dificulta todo o processo fisiológico”, afirma.

Leia também: Apendicite: entenda o problema que levou Luiz Bacci para uma cirurgia

As especialistas afirmam que, entre os principais motivos de constipação durante uma viagem, ou até mesmo no trabalho, estão vergonha de estar evacuando, mudança de hábitos alimentares e de horários biológicos, estranhamento do local e o medo de que outras pessoas sintam o cheiro ou que faça barulho.

“Não gosto muito de ir ao banheiro em locais públicos, com vários boxes, e casas que eu não frequente muito. Eu não sei como é a rotina de limpeza no local e, se é um banheiro compartilhado, é um pouco incômodo que as outras pessoas saibam o que estou fazendo ali”, diz Inaye.

Leia também: Doença leva à ruptura de intestino devido a excesso de fezes

A gastroenterologista afirma que iogurtes com probióticos podem ajudar a solucionar o problema e, para melhorar o funcionamento intestinal, é ideal que as pessoas consumam alimentos ricos em fibras, presentes na maçã, banana, ameixa e mamão, beber bastante água, evitar carboidratos em excesso, respeitar a vontade de evacuação, não ficar escolhendo o local e horário e não inibir o desejo de fazer cocô.

Segundo Magda, fechar os olhos e imaginar que está no banheiro de casa pode ajudar na familiarização do local.

Leia também: Colostomia interfere na autoestima, mas salva vidas, diz colostomizada

“Quando meu intestino prende durante uma viagem, apelo para iogurtes com probióticos e tomo leite, mas, se mesmo assim, nada sair, e eu precisar muito ir ao banheiro, apelo para o laxante”, afirma Inaye.

Mas Elaine ressalta que o uso de laxantes sem recomendação médica não é indicado, pois interfere na absorção de nutrientes e, se usado sem prescrição, pode causar deficiência nutricional e até inflamações no intestino.

Leia também: ‘Chá laxante das celebridades me deixou viciada e afetou minha saúde’

O ideal, de acordo com Magda, é que as pessoas evacuem, no máximo, a cada três dias, e que as fezes sejam macias e deem a sensação de alívio. “Passar muito tempo sem ir ao banheiro e fezes duras geram grande esforço, podendo causar hemorroidas”, explica.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Deborah Giannini

Como vai o seu intestino? Conheça as principais doenças inflamatórias

 

CategorySaúde

Copyright © 2016 - Plena Jataí. Todos os direitos reservados.

Clínica/Laboratório: (64) 3631-5080 | (64) 3631-5090
Farmácia: (64) 3631-8020 | (64) 3631-8030
Imagem: (64) 3631-6001