Vacinação da gripe será anunciada na próxima semana
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Em outubro do ano passado os Estados Unidos viram surgir uma epidemia de influenza que fez milhares de vítimas. Desde então, a pergunta, no Brasil, é se este vírus também vai circular no país e se corremos o risco de enfrentar aqui uma epidemia semelhante.

Leia mais: Aumento de gripe em SP pode ser prenúncio de supervírus dos EUA

Esta questão foi discutida nesta sexta-feira (13) em um seminário sobre a atualização do influenza no Brasil realizada pelo Hospital Emílio Ribas, em São Paulo.

O influenza, como é chamado o vírus da gripe, engloba três tipos de vírus: A, B e C.

O tipo C causa infecções respiratórias brandas e não está relacionado com epidemias, diferentemente dos tipos A e B que, além de epidemias sazonais, são responsáveis por pandemias – epidemia em diversas regiões do mundo.

O influenza tipo B também é chamado de FluB. O tipo A pode ser dividido em subtipos, entre eles, o H1N1 e o H3N2, já bem conhecidos dos brasileiros.

Leia mais: Número de crianças gripadas é quase o dobro do ano passado

O problema é que esses vírus já conhecidos podem sofrer algumas mutações.

O vírus que circulou nos Estados Unidos nos últimos meses foi o H3N2, mesmo que esteve por aqui nos últimos anos e fez mais vítimas em 2014, 2015 e 2017.

Neste ano, ele também já foi identificado no Brasil.

Até o momento, as equipes de saúde que fazem a vigilância dos casos de gripe no Brasil analisaram 4.968 amostras em todo o país. A conclusão é que, entre os casos confirmados de influenza, o H3N2 é o segundo tipo de vírus mais comum, responsável por 36% das infecções.

O mais comum, até este momento, é o FluB, que circulou bastante no último inverno europeu. Até o momento, ele causou 39% das infecções.

O vírus do tipo H1N1 é o terceiro mais comum, respondendo por 23,2% dos casos.

Isso mostra que o vírus dos Estados Unidos está no Brasil, mas aí existe um outro detalhe, que deve tornar a vacina brasileira mais eficaz que a norte-americana: esse vírus pode sofrer algumas mutações.

A vacina aplicada nos Estados Unidos protegia contra o H3N2 de uma família, ou cepa, chamada de Hong Kong. Mas, a que circulou e fez vítimas no país norte-americano, foi a Singapura.

A vacina que vai ser aplicada a partir deste mês na campanha de vacinação do Ministério da Saúde em todo o Brasil protege contra a cepa chamada de Singapura, como explica a infectologista do Hospital Emílio Ribas, Rosana Richrmann:

“A expectativa, mas é apenas uma expectativa, é que o H3N2 que circulou nos Estados Unidos circule aqui entre nós. Neste momento a gente está vendo que está acontecendo a cocirculação dos três vírus, o H1N1, o tipo B e o H3N2. A vacina protege contra os três. A diferença é que a cepa que está dentro da vacina H3N2 do Brasil é diferente da cepa que estava dentro da vacina dos norte-americanos. Na nossa está a mesma cepa que circulou nos Estados Unidos. Então, em teoria, a nossa vacina vai ter um desempenho melhor do que foi a deles”.

Ainda não é possível afirmar qual dos tipos de vírus vai circular com maior incidência e fazer mais vítimas no país porque estão sendo registrados agora os primeiros casos fatais de influenza.

Em São Paulo, desde o início do ano, 76 pessoas foram internadas com síndrome respiratória grave causada pelo influenza; 16 morreram. Entre essas vítimas, o vírus mais comum foi o H1N1, 40,9%, embora a vigilância feita em todo o país indique o vírus que mais circula no Brasil seja o FluB.

É impossível prever como cada tipo de vírus influenza vai se comportar daqui para frente, segundo a epidemiologista Telma Carvalhanas, diretora da divisão de doenças de transmissão respiratória do Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo. “A gente não sabe o que virá, a única coisa previsível é que o vírus é imprevisível”.

De acordo com Telma, o fato é que entre 5% e 15% da população mundial é infectada todos os anos com o vírus da influenza. “De 350 milhões a mais de 1 bilhão de pessoas irão adoecer todos os anos por causa do vírus influenza. São 1,2 bilhão de pessoas com risco elevado para complicações, 3 a 5 milhões de casos graves, de 500 mil a 1 milhão de óbitos”.

Maior pandemia da história, gripe espenhola completa 100 anos:

CategorySaúde

Copyright © 2016 - Plena Jataí. Todos os direitos reservados.

Clínica/Laboratório: (64) 3631-5080 | (64) 3631-5090
Farmácia: (64) 3631-8020 | (64) 3631-8030
Imagem: (64) 3631-6001