<img src=’https://img.r7.com/images/novo-aplicativo-hemovida-busca-facilitar-a-captacao-de-doadores-de-sangue-27112023110117643′ /><br />

Novo aplicativo Hemovida busca facilitar a captação de doadores de sangue
Tomaz Silva/Agência Brasil

O Ministério da Saúde lançou nesta segunda-feira (27) um aplicativo que promete reforçar os estoques de sangue dos hemocentros e facilitar a ação voluntária de doadores.

Chamado Hemovida, o aplicativo é integrado ao ConecteSUS. Com ele, o cidadão poderá obter sua carteira virtual de doador, que terá informações de saúde, tipo sanguíneo e a data da última doação.

Segundo o ministério, o Hemovida vai facilitar a captação de doadores e conscientizar a população sobre a importância de manter os estoques de sangue em níveis seguros. "O aplicativo estimula a doação de sangue voluntária, um ato de amor que pode salvar vidas", afirma a secretária de Informação e Saúde Digital, Ana Estela Haddad.

Veja também

Saúde
Fundação de coleta de sangue faz apelo por doações antes de feriado

Saúde
Saiba o que é necessário para se tornar um doador de sangue

Saúde
Hepatite A: saiba quais são os sintomas e como se prevenir

• Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
• Compartilhe esta notícia no WhatsApp
• Compartilhe esta notícia no Telegram
• Assine a newsletter R7 em Ponto

Com o Hemovida, o doador terá um registro pessoal e útil em emergências, com histórico completo de doações, incluindo as realizadas, canceladas e agendadas. Ele ainda pode optar por fazer autodeclaração de doação de sangue para manter um registro do compromisso com a causa.

Sobre os serviços hemoterápicos, o doador terá a localização da rede de saúde mais próxima, para saber onde doar e receber informações sobre os serviços disponíveis em cada unidade.

Para o Ministério da Saúde, a plataforma gratuita pode ser uma ponte entre os hemocentros da rede pública de saúde e os possíveis doadores. "O aplicativo desempenha um importante papel na disseminação de informações sobre a doação de sangue e campanhas em andamento", diz a pasta.

Na plataforma, o doador poderá ainda convidar amigos e familiares, compartilhar experiências nas redes sociais e incentivar outras pessoas a se tornarem doadoras.

Critérios de doação

O aplicativo trará ainda informações detalhadas sobre como e quem pode doar, além dos cuidados necessários no dia da doação. "[O aplicativo] garante que os doadores estejam bem informados e preparados", acrescenta o ministério.

Quem quiser se cadastrar no ConecteSUS Cidadão precisa baixar o aplicativo nas lojas Android ou iOS ou por meio do site. O login é feito pelo acesso único do governo federal.

Sangue doado

Segundo o Ministério da Saúde, o sangue doado voluntariamente é usado nos atendimentos de urgência, na realização de cirurgias de grande porte e no tratamento de pessoas com doença falciforme e talassemias, além de doenças oncológicas variadas que frequentemente necessitam de transfusão.

Além de atender aos procedimentos hospitalares, o sangue doado pode ser transferido pelos bancos de sangue para a Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) produzir hemoderivados, fornecidos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) à população necessitada.

"Aproximadamente 1,4% da população brasileira doa sangue, o que representa 14 pessoas a cada mil habitantes. Embora o percentual esteja dentro dos parâmetros recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o Ministério da Saúde trabalha constantemente para aumentar esse índice, conscientizando a população da importância desse gesto na saúde coletiva", diz a pasta.

As taxas de doação de sangue cresceram neste ano no Brasil. Enquanto entre janeiro e setembro de 2022 foram coletados 2.340.048 bolsas de sangue (de 450 ml a 500 ml cada), no mesmo período deste ano a coleta chegou a 2.452.425 bolsas, o que representa aumento de 112.377 no número de bolsas. "Cada doação pode ajudar a salvar até quatro vidas", lembra o ministério.

Segundo a coordenadora-geral de Sangue e Hemoderivados, Joyce Aragão, como estratégia para evitar o desabastecimento, o Ministério da Saúde monitora diariamente o volume de bolsas de sangue em estoque nos hemocentros estaduais. Caso seja necessário, o Plano Nacional de Contingência do Sangue pode ser acionado, possibilitando o remanejamento de bolsas de sangue de outras Unidades da Federação para aquelas com alguma dificuldade, explica Joyce.

Voluntários

Para fazer doações de sangue no Brasil, é necessário ter de 16 a 69 anos — na faixa entre 16 e 18 anos, é preciso ter o consentimento dos responsáveis. Aqueles que têm de 60 a 69 anos só podem doar sangue se já o tiverem feito antes dos 60 anos. É preciso pesar no mínimo 50 quilos e estar em bom estado de saúde.

"O candidato deve estar descansado, não ter ingerido bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores à doação e não estar de jejum. No dia da doação, é imprescindível levar documento de identidade com foto", recomenda a pasta.

Por ano, homens só podem fazer quatro doações e mulheres, três. "O intervalo mínimo entre doações deve ser de dois meses para os homens e de três meses para as mulheres".

PEC do Plasma

O secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Complexo da Saúde, Carlos Gadelha, ressalta que o acesso à saúde de qualidade, a universalização de serviços e o atendimento gratuito para a população é prioridade do governo federal. Gadelha afirma, porém, que seria um retrocesso a permissão legal para a comercialização de plasma no Brasil. A questão está em discussão no Congresso Nacional em uma proposta de emenda à Constituição (PEC).

"Foi uma conquista do Brasil ter proibido a comercialização de sangue na nossa Constituição. Antigamente, tínhamos uma situação onde os brasileiros precisavam vender o próprio sangue para ter um prato de comida", enfatiza Gadelha, acrescentando que a OMS rejeita a ideia em debate no Legislativo brasileiro.

CategorySaúde

Copyright © 2016 - Plena Jataí. Todos os direitos reservados.

Clínica/Laboratório: (64) 3631-5080 | (64) 3631-5090
Farmácia: (64) 3631-8020 | (64) 3631-8030
Imagem: (64) 3631-6001