As previsões deixaram de piorar, comemora Trabucco
Paulo Giandalia/20.05.2013/Estadão Conteúdo

Depois do baque com a pandemia do novo coronavírus na economia, que paralisou a atividade no País, as previsões deixaram de piorar, mas mesmo assim existe uma “recessão”, disse o presidente do Conselho de Administração do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco Cappi. “O pior está ficando para trás”, disse.

No momento, segundo ele, diversos setores da economia estão apontando para uma retomada, como o imobiliário. “Essa será uma locomotiva muito forte”, comentou durante a Convenção Secovi.

Leia mais: Brasil precisará de ‘credibilidade’ para manter crescimento, diz BC

Trabuco frisou que a pandemia deixou inúmeros desafios e que os organismos multilaterais “deixaram a desejar” em sua atuação na crise.

O presidente do conselho do Bradesco cobrou ainda que é preciso enfrentar o problema da saúde no Brasil e disse que houve, nesse processo, um aumento da dívida pública e que essa é uma responsabilidade de “todos os entes federativos”. Defendeu, ainda, a manutenção do teto de gastos. “A dívida precisa ser administrada.”

Área ambiental

O Brasil é um “país equilibrado” na defesa do meio ambiente, mas precisa melhorar na comunicação dessas iniciativas, avaliou Trabuco. “O Brasil é um país equilibrado nessa área. Existem distorções, crimes contra o meio ambiente, que devem ser punidos. Estamos deixando a desejar na forma de comunicar e defender as políticas ambientais”, afirmou.

Trabuco disse que o “meio ambiente é a pauta do século 21” e que não adianta o País querer “remar contra a maré”, pois isso faz parte das prioridades de toda a sociedade, inclusive investidores. “Os investidores não investem em empresas não sustentáveis e sem responsabilidade socioambiental. É uma agenda que tem que ser percebida”, enfatizou.

CategorySaúde

Copyright © 2016 - Plena Jataí. Todos os direitos reservados.

Clínica/Laboratório: (64) 3631-5080 | (64) 3631-5090
Farmácia: (64) 3631-8020 | (64) 3631-8030
Imagem: (64) 3631-6001