Sarampo pode levar à morte principalmente em crianças menores que 1 ano
Freepik

Doença extremamente contagiosa e grave, o sarampo voltou a ser discutido após casos serem confirmados nesta terça-feira (19) em um dos maiores navios de cruzeiro a operar na costa brasileira, o Seaview.

O Instituto Adolfo Lutz já confirmou 18 infectados. O cantor Wesley Safadão fez um show durante a viagem e está no navio. A embarcação deve retornar a Santos, no litoral paulista, para imunizar quem estava a bordo e a previsão é de que, inicialmente, 5 mil pessoas serão vacinadas. Passageiros que vão embarcar no navio para outro trecho de viagem também serão imunizados e, ao todo, 10 mil pessoas devem receber a vacina.

Veja também

Sarampo é confirmado em navio e 9 mil pessoas são vacinadas em Santos
Surto em navio pode ter sido causado por sarampo, diz exame
Navio onde Wesley Safadão fez show tem suspeita de surto de rubéola
13 tripulantes de navio cruzeiro são investigados por suspeita de rubéola

Em nota, a MSC Cruzeiros informou que “um pequeno número de tripulantes do MSC Seaview apresentou possíveis sinais de rubéola ou sarampo”. A empresa disse que trabalhou em estreita colaboração com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e, como medida de prevenção, toda a tripulação do navio foi vacinada. A empresa informou ainda que nenhum hóspede apresentou sintomas de doença e que as operações do navio continuam funcionando normalmente.

Em 2016, o Brasil tinha recebido o certificado de erradicação da doença da OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde), mas, casos de venezuelanos que foram para o Roraima foram registrados e se espalharam no Estado em 2017.

No ano passado, a doença chegou ao Estado do Amazonas – que concentra o maior número de casos (9.803) – e também foi registrada, em menor escala, no Pará (62), Rio Grande do Sul (46), Rio de Janeiro (19), Sergipe (4), Pernambuco (4), São Paulo (3), Bahia (3), Rondônia (2) e Distrito Federal (1). Roraima contabiliza 355 casos.

De acordo com o último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, com dados de 2018 até 21 de janeiro deste ano, o País contabiliza 10.302 casos de sarampo e 12 óbitos. Ainda sem conseguir controlar o surto, o Brasil corre o risco de perder o certificado de erradicação da doença.

O que é o sarampo?

É uma doença infecciosa viral, grave e que pode levar à morte, principalmente de crianças com menos de 1 ano de idade.

Como ocorre a transmissão do sarampo?

Por meio de secreções expelidas na tosse, espirro, fala e até na respiração. O vírus é transmitido entre quatro e seis dias antes ou depois do aparecimento de manchas vermelhas pelo corpo, mas o período em que a pessoa mais transmite a doença é dois dias antes e dois dias depois do aparecimento desse sintoma.

Quais os sintomas da doença?

Os sintomas do sarampo são febre alta, acima de 38,5°C, exantema (erupções cutâneas vermelhas), tosse, coriza, conjuntivite e manchas brancas que aparecem na mucosa bucal de um a dois dias antes do aparecimento do exantema.

O sarampo pode matar?

Sim. Complicações infecciosas decorrentes do sarampo podem levar à morte, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade.

Qual é a forma de prevenção?

Como é uma doença extremamente contagiosa, a única forma de se prevenir é com a vacinação, que deve ser aplicada em duas doses: uma aos 12 meses e a outra, aos 15 meses. Crianças de 5 anos a 9 anos de idade que não foram vacinadas devem tomar duas doses da vacina. Pessoas de 10 a 29 anos devem tomar duas doses das vacina. Quem tem entre 30 e 49 anos, só precisa tomar uma dose da vacina tríplice viral (contra sarampo, caxumba e rubéola).

Adultos estão livres da doença?

Não. E adultos na faixa de 30 anos devem, especialmente, ficar atentos. Isso porque, no passado, a vacinação era feita aos 9 meses e em apenas uma dose. Portanto, eles devem procurar o serviço de saúde para atualizar a caderneta de vacinação. Quem desconhece sua situação vacinal, pode se vacinar de novo. A imunização não vai causar problemas de saúde e vai dar certeza sobre a proteção contra a doença.

Qual a situação da vacinação no País?

Apesar do número expressivo de registros no País, é ainda baixo o porcentual da população imunizada contra a doença. Em 2017, a segunda dose da vacina havia atingido 71,6% do público-alvo no Brasil. Apenas o Estado do Ceará atingiu imunização superior a 95% – meta do Ministério da Saúde e preconizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Dados preliminares do Ministério da Saúde indicam que metade dos municípios não atingiu a meta de cobertura vacinal, que é igual ou superior a 95%.

Por que a cobertura está baixa?

Segundo especialistas e autoridades ligadas à saúde, há baixa adesão da população às campanhas. Eles apontam como motivo a falsa sensação de que o problema estava erradicado.

Quem não deve se vacinar?

Gestantes, crianças com menos de 6 meses e imunocomprometidos não devem receber a dose. A gestante deve esperar para ser vacinada após o parto. A vacina também não é recomendada em casos suspeitos de sarampo.

Qual a orientação para os viajantes?

Segundo o Ministério da Saúde, os casos de sarampo caíram no mundo, por causa da imunização, mas epidemias podem ocorrer a cada dois ou três anos em regiões onde a cobertura vacinal é baixa, como em alguns países da Europa, África e Ásia. A recomendação é procurar um posto de vacinação ao menos 15 dias antes da viagem para verificar a situação vacinal e, se necessário, ser imunizado.

Como é feito o tratamento para o sarampo?

Não existe tratamento específico para o sarampo. Crianças com a doença costumam receber vitamina A para reduzir a possibilidade de evolução para casos graves e fatais. O tratamento preventivo com antibiótico é contraindicado. Algumas crianças precisam de quatro a oito semanas para recuperar o estado nutricional que tinham antes da infecção pela doença.

CategorySaúde

Copyright © 2016 - Plena Jataí. Todos os direitos reservados.

Clínica/Laboratório: (64) 3631-5080 | (64) 3631-5090
Farmácia: (64) 3631-8020 | (64) 3631-8030
Imagem: (64) 3631-6001